Foto by Freepik

A Medicina de Precisão está cada vez mais integrada no cuidado às mulheres com câncer de mama. O Genética Descomplicada dá cinco exemplos! 

1. Prevenção Personalizada: A medicina de precisão pode ajudar a identificar indivíduos com maior risco de desenvolver câncer de mama com base em seu perfil genético. Essas informações podem ser usadas para personalizar estratégias de triagem e intervenções preventivas, como aumento da vigilância ou cirurgias de redução de risco (Adeloye et al., 2018). Ao adaptar as abordagens de triagem e prevenção aos perfis de risco individuais, a medicina de precisão pode melhorar a detecção precoce!

2. Prognóstico: A medicina de precisão pode fornecer informações valiosas sobre o prognóstico e risco de recorrência em pacientes com câncer de mama. O perfil genético e a análise molecular podem identificar alterações genéticas específicas associadas ao comportamento agressivo do tumor e mau prognóstico (Rodrigues-Ferreira et al., 2019). Esta informação pode ajudar a orientar as decisões de tratamento e permitir um acompanhamento mais personalizado.

3 – Seleção do Tratamento: A medicina de precisão permite a identificação de mutações genéticas específicas ou biomarcadores em tumores de câncer de mama, o que pode ajudar a orientar as decisões de tratamento. Por exemplo, terapias direcionadas como o trastuzumabe são usadas especificamente para pacientes com câncer de mama com tumores HER2-positivos (Tian et al. 2021). Ao adaptar o tratamento com base nas características individuais do tumor, a medicina de precisão pode melhorar os resultados do tratamento e reduzir os efeitos colaterais desnecessários.

 4 – Identificação de alvos terapêuticos: A medicina de precisão pode identificar mutações ou alterações genéticas específicas em tumores de câncer de mama que podem ser alvo de novas terapias. Por exemplo, a identificação de mutações BRCA1 e BRCA2 em pacientes com câncer de mama levou ao desenvolvimento de inibidores de PARP como terapias direcionadas (Couch et al., 2014). Ao identificar esses alvos terapêuticos, a medicina de precisão pode melhorar as opções de tratamento para pacientes com câncer de mama.

 5. Desenho de Ensaios Clínicos: A medicina de precisão desempenha um papel crucial na concepção e implementação de ensaios clínicos para câncer de mama. Ao estratificar pacientes com base em seu perfil genético ou biomarcadores específicos, os ensaios clínicos podem avaliar a eficácia de terapias direcionadas em subgrupos específicos de pacientes com câncer de mama (Griffith et al., 2017). Essa abordagem permite um desenho de ensaio clínico mais eficiente e eficaz, levando ao desenvolvimento de novas opções de tratamento para o câncer de mama.

Referências

Adeloye, D., Sowunmi, O., Jacobs, W., David, R., Adeosun, A., Amuta, A., … & Chang, E. (2018). Estimating the Incidence Of Breast Cancer In Africa: A Systematic Review And Meta-analysis. Journal of Global Health, 1(8). Link para o artigo completo

Couch, F., Nathanson, K., Offit, K. (2014). Two Decades After BRCA: Setting Paradigms In Personalized Cancer Care and Prevention. Science, 6178(343), 1466-1470. Link para o artigo completo

Rodrigues-Ferreira, S., Molina, A., Nahmias, C. (2019). Microtubule-associated Tumor Suppressors As Prognostic Biomarkers In Breast Cancer. Breast Cancer Res Treat, 2(179), 267-273. Link para o Artigo Completo 

Tian, S., Fu, L., Zhang, J., Xu, J., Yuan, L., Qin, J., … & Zhang, W. (2021). Identification Of a Dna Methylation-driven Genes-based Prognostic Model And Drug Targets In Breast Cancer: In Silico Screening Of Therapeutic Compounds And In Vitro Characterization. Front. Immunol., (12). Link para o artigo completo 

Atenção: o acesso ao artigo completo depende da editora. 

Infográfico criado pelo Genética Descomplicada